"O fato é simples: Nós também não nos conhecemos plenamente. Não sabemos o quão somos estranhos de nós mesmos. Não sabemos o que somos capazes de fazer, e muitas vezes não nos reconhecemos em determinadas atitudes."

domingo, 31 de julho de 2011

DO JEITO QUE TEM QUE SER

Jailson Freire

O recomeço é sempre muito complicado. Sempre difícil e cansativo. Eu sei que é...
É no recomeço que pensamos em voltar para onde não deveríamos nem se que cogitar tal intenção. É no recomeço que a necessidade de um novo ânimo se faz urgente.
Recomeçar é sempre angustiante, principalmente se levarmos em consideração que antes vivíamos em local escuro, apertado e sem vida. Foi muito tempo vivendo atrofiado e sem esperança. O deveríamos esperar depois disso?
É no recomeço que desejamos nunca ter saído de lá; é a tal zona de conforto. Conforto?! É no recomeço que levamos a nossa imaginação ao topo do ridículo; imagine você que pensar em continuar na mesma vida morta é algo bom de se imaginar...
Voltar para a caverna depois de ter saído dela é humilhante e nem um pouco elegante, além de ridículo e desgastante; prosseguir é a melhor maneira de mostrar orgulho, amor próprio, e fé. Prosseguir é, sem dúvida, a melhor maneira de mostrar quem se é.
Prosseguir terá seu preço, mas venhamos e convenhamos... O que na vida não tem seu preço? Se for para pagar por algo, que se pague pelo que é decente.
Uma coisa é certa: É no final da corrida que o pódio fica. Não dá para ganhar o primeiro lugar sem percorrer cada metro de alegria e tristeza  que reservado para gente de carne e osso está. Não dá pra ser feliz esperando sentado ao lado do chafariz; quem colocou um chafariz do lado de fora da caverna? Bom... Deixa pra lá...  Não foi pra isso que você saiu de lá!
É compreensiva a indecisão num momento como esse, mas vai esperar a chuva passar? Ou vai esperar amanhecer? O que pretende esperar para começar a viajar? Pegue o que tem, olhe para o além e vem! Vamos comigo seguir o destino que o Senhor da existência preparou pra nós. Levante a cabeça, lave seu rosto e pegue as suas coisas. Vamos para o norte, pois é para cima a direção da visão da nossa sorte. A caminhada será longa e cansativa, mas conosco ira a comitiva, que apesar de invisível, nos acompanhará até o final. Essa é a ordem:
"Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos." (Salmos 91 : 11)

domingo, 17 de julho de 2011

A DESPEDIDA


por Jailson Freire


Sim. Eu quero falar, mas falar apenas sobre o que é essencial. Falar sobre o que motiva. Sobre o que sublima. Falar sobre o melhor da vida... Sobre o que é estável e sábio. Falar sobre o que é límpido, fresco e cristalino.

Já não quero mais falar por falar. Não quero mais falar sobre dor... Sobre crise interior. Não quero falar sobre dramas e dilemas... Sobre angústias e intranqüilidades... Não quero falar sobre amarguras e maldades... Não quero falar de esperança inútil; não quero me enganar.

Não quero pensar sobre o que não pode existir. Não quero acreditar no inviável a menos que seja viabilizado por fé em Ti. Não quero exigir o que não me é de direito; não quero ser escravo dos meus desejos.

Não quero muita coisa pra ser feliz: As coisas costumam roubar a nossa felicidade. Não quero preocupação maior que a que eu possa alcançar com meus braços; quero andar descalço e decidir depois o que eu faço.

Não. Não desejo mais correr para alcançar o inalcançável; quem acredita alcança caminhando mesmo... Não quero mais assistir de camarote à guerra que acontece dentro da alma; as coisas se arrumam por si só; deixa o tempo provar.

Já não quero curtir expectativas inadequadas... Cansei de esperar. Vou ao encontro por essa estrada. Se Ele quiser eu sei que pode me dá...

Sei que um dia tudo acaba; tudo passa. Sei que um dia as luzes se apagam e sei que depois disso a porta será fechada e o silêncio será o som que sairá da minha boca, mas enquanto isso, vou cantando a canção que pode me dá esperança.

Enquanto isso, não vou mais chorar. Não vou mais falar de culpa e castigo. Não vou falar de pecado e perdão; sei bem o que é andar na contramão.

Não vou mais falar de choro e tristezas; vou apenas cantar a canção. Vou falar de sorriso e de vida. Vou falar de humor e alegria. Vou desprezar a crise e debochar da dor. Vou cantar o que fizer o coração pular. Vou contar o que fizer um irmão sorrir quando desejava chorar. Vou contar o amor e falar de humor. Vou divertir até suas lágrimas salgadas transformarem-se em doces lagrimas de alegria.

Resolvi mudar. Resolvi que quando meu coração se apertar vou me calar até que o cumprimento da "boa palavra" possa reanimar-me para mais uma rodada de piadas engraçadas.

O processo acabou. A lágrima secou... Já não há mais razão para eu morar aqui; nunca gostei mesmo de cavernas...

Agora tenho que ir.
"A esperança adiada desfalece o coração, mas o desejo atendido é árvore de vida." (Provérbios 13 : 12)